InícioBlogPortalFAQBuscarRegistrar-seConectar-se

Compartilhe | 
 

 Soneto do Epitáfio, por Bocage

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Neide
Socio do fórum
Socio do fórum
avatar

Número de Mensagens : 203
Idade : 40
Localização : Santos - SP
Reputação : 0
Pontos : 3243
Data de inscrição : 04/08/2008

MensagemAssunto: Soneto do Epitáfio, por Bocage   Qua Dez 17, 2008 1:43 pm

..


Lá quando em mim perder a humanidade
Mais um daqueles, que não fazem falta,
Verbi-gratia — o teólogo, o peralta,
Algum duque, ou marquês, ou conde, ou frade:

Não quero funeral comunidade,
Que engrole "sub-venites" em voz alta;
Pingados gatarrões, gente de malta,
Eu também vos dispenso a caridade:

Mas quando ferrugenta enxada idosa
Sepulcro me cavar em ermo outeiro,
Lavre-me este epitáfio mão piedosa:

"Aqui dorme Bocage, o putanheiro;
Passou vida folgada, e milagrosa;
Comeu, bebeu, fodeu sem ter dinheiro".


Introdução à obra do autor escrita por Glauco Mattoso


“A fama do português Manuel Maria Barbosa du Bocage (1765-1805) não se divide apenas em "boa" e "má", isto é, entre a modelar poesia arcádica ou romântica e a malexemplar poesia fescenina: esta mesma é motivo de controvérsia, a partir do ponto em que foi renegada pelo próprio autor. Não vou aqui esmiuçar fatos e versões de fontes e perversões. Limito-me a resgatar, para o sítio poético da POP BOX, a parcela expurgada da produção bocagiana, tal como fiz com as "obras livres" de Laurindo Rabelo, sucessor de Bocage no Brasil. Ao selecionar e anotar os sonetos eróticos do lusitano, não pude, sem embargo, manter-me indiferente a uma hipótese apócrifa que vem incomodando alguns biógrafos e historiadores. Que Bocage era genial não cabe dúvida, como não se desmente a vida devassa que dá respaldo a seus versos. O que intriga o pesquisador é a tendência a atribuir ao maldito obras que ele mesmo admitia serem de outrem, mas que editores e leitores "preferiam" que fossem dele, seja por admiração ou difamação. Hoje não dá para propor revisionismos no que já se tornou lendário. Resta simplesmente registrar algumas autorias, que, se fossem cabalmente restabelecidas, dariam a entender que pelo menos o sonetário pornográfico pertenceria a nomes menos conhecidos, senão obscuros.
Citam-se entre os indícios o fato de que o soneto VI teria sido repudiado por Bocage, sob alegação do tipo "se fosse meu, o verso 8 ficaria assim ou assado" (nota 3); ou o fato de que o soneto XXXII, que já parece requentado em comparação com um anônimo do século anterior (nota 14), figura em certas antologias como assinado pelo Abade de Jazente (vulgo de Paulino António Cabral de Vasconcellos). Mas a mim parece mais interessante verificar que grande parte dos sonetos mais sexualmente descritivos e desreprimidos foi achada num caderno onde, segundo algumas fontes, constava o nome de Pedro José Constâncio, cuja biografia ainda não figura nas enciclopédias e compêndios literários. Além do que vai referido na nota 16, vale acrescentar alguma parca informação sobre esse meu xará de cuja obra Bocage teria se "apropriado".
Irmão dum prestigiado escritor (Francisco Solano Constâncio, autor, entre diversos tratados, duma HISTÓRIA DO BRASIL), o Pedro que também foi Podre morreu, sem completar seus quarenta, antes de 1820 e viveu marginalmente, entre a putaria e a loucura. Ou, como se cita, "Enfermidades geradas pelos excessos venéreos a que se dava, sem escolha nem reserva, o levaram a um estado valetudinário, atrofiando-lhe as faculdades, e tornando-o incapaz de toda a aplicação." Filho dum cirurgião da corte de D. Maria I, chegou a bacharelar-se em cânones pela Universidade de Coimbra, mas só se tem notícia de seu convívio com os poetas contemporâneos (entre os quais Bocage e José Agostinho) justamente porque estes costumavam interceder em seu favor quando era perseguido e punido pelo comportamento anti-social, ou seja, quando era preso por se exibir pelado em público ou por escrever poemas como o soneto XLVIII, que, segundo denúncia ao intendente da polícia, era "licencioso" e alusivo à "fornicação dos cães dentro das igrejas". Entre os poucos poemas de Constâncio que apareceram impressos está o soneto que reproduzo na nota 16, o qual foi (1812) incluído "por engano" pelo editor das obras de Bocage e excluído (1820) na reedição.
Fundamentada ou não, a polêmica sobre os sonetos bocagianos ou constancianos permanece secundária diante do propósito desta seleta, que é introduzir na rede virtual outra pequena parcela do inesgotável "veio subterrâneo" (como dizia José Paulo Paes) da poesia vernácula: a fescenina. Assim pago meu tributo àqueles que me foram antecessores no gênero que escolhi e que levo avante no livro O GLOSADOR MOTEJOSO, no qual pinço alguns dos versos abaixo como motes para as glosas que compus no "martelo agalopado", ou seja, o decassílabo heróico iniciado por pé anapéstico ao invés de jâmbico.
Quase todos os sonetos infra transcritos foram tirados duma edição paulistana (1969), dentre as inúmeras cópias que circulam, mais ou menos clandestinamente, do livro POESIAS ERÓTICAS, BURLESCAS E SATÍRICAS, ao qual me reporto nos pontos assinalados pela expressão "nota da fonte". (
São Paulo, janeiro de 2002)

CLIQUE AQUI E VEJA OS POEMAS

Voltar ao Topo Ir em baixo
http://enochhaym.blogspot.com
 
Soneto do Epitáfio, por Bocage
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Agora é Rock! :: Leitura :: Outros-
Ir para: