InícioBlogPortalFAQBuscarRegistrar-seLogin

Compartilhe | 
 

 Van Gogh: o Suicidado pela Sociedade, por Antonin Artaud

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Neide
Socio do fórum
Socio do fórum


Número de Mensagens : 203
Idade : 40
Localização : Santos - SP
Reputação : 0
Pontos : 3215
Data de inscrição : 04/08/2008

MensagemAssunto: Van Gogh: o Suicidado pela Sociedade, por Antonin Artaud   Qua Dez 17, 2008 10:08 pm


Retirado do E-Book disponível para baixar no Ateus.net


Em fevereiro de 1947 Artaud foi ver a mostra de Van Gogh no museu de l’Orangerie, no qual estavam expostas 173 obras do grande pintor holandês.
Pouco antes saíra no jornal Arts um artigo de um psiquiatra focalizando Van Gogh sob um sob um ponto de vista clínico intitulando-o inclusive de degenerado. De volta da exposição Artaud pôs-se a escrever imediatamente seu texto. Consta que o teria escrito em dois dias. Na verdade, a maior parte foi feita em uma semana. Foi publicado em setembro de 1947 e logo em seguida recebeu o prêmio Sainte-Beuve; na época, o principal prêmio literário para ensaios na França. Não deixa de ser uma ironia o fato do marginalizado Artaud receber um prêmio dessa importância e de viver uma espécie de consagração - seus textos eram publicados logo depois que terminava de escrevê-los e as Cartas de Rodez já estavam na segunda edição - no fim da vida, quando já definhava às vésperas da morte.
Van Gogh é um dos textos mais bonitos, de maior intensidade poética de Artaud. Há uma espécie de síntese, de junção do texto corrido das Cartas e da batida mais compassada, mais ritmada do Momo e de Ci-Gît. Quando o assunto era algum outro “maldito” hiper-romântico, Artaud escrevia apaixonadamente. Isso pode ser visto também na sua carta sobre Lautréamont, de 1946, e no seu texto sobre Gérard de Nerval.





Óleo – Esqueleto Fumando Cigarro (Antuérpia, inverno 1885/1886)


Van Gogh: o Suicidado Pela Sociedade


“Pode-se falar da boa saúde mental de Van Gogh, que em toda sua vida apenas assou uma das mãos e, fora disso, limitou-se a cortar a orelha esquerda numa ocasião.
num mundo no qual diariamente comem vagina assada com molho verde ou sexo de recém-nascido flagelado e triturado,
assim que sai do sexo materno.
E isso não é uma imagem, mas sim um fato abundante e cotidianamente repetido e praticado no mundo todo.
E assim é que a vida atual, por mais delirante que possa parecer esta afirmação, mantém sua velha atmosfera de depravação, anarquia, desordem, delírio, perturbação, loucura crônica, inércia burguesa, anomalia psíquica (pois não é o homem, mas sim o mundo que se tornou anormal), proposital desonestidade e notória hipocrisia, absoluto desprezo por tudo que tem uma linhagem
e reivindicação de uma ordem inteiramente baseada no cumprimento de uma primitiva injustiça;
em suma, de crime organizado.
Isso vai mal porque a consciência enferma mostra o máximo interesse, nesse momento, em não recuperar-se da sua enfermidade.
Por isso, uma sociedade infecta inventou a psiquiatria, para defender-se das
investigações feitas por algumas inteligências extraordinariamente lúcidas, cujas faculdades de adivinhação a incomodavam.


Gérard de Nerval não estava louco, mas o acusaram de estar louco para desacreditar certas revelações fundamentais que estava em vias de fazer;e, além de acusá-lo, certa noite golpearam sua cabeça, golpearam-nofisicamente para que esquecesse os fatos monstruosos que ia revelar e que, por causa deste golpe, passaram do plano mental para o plano supranatural, pois a sociedade toda, conjurada contra sua consciência, mostrou-se naquele momento suficientemente forte para obrigá-lo a esquecer sua verdade.
.


Nerval
Não, van Gogh não estava louco, mas suas telas eram jorros de substância incendiária, bombas atômicas cujo ângulo de visão, ao contrário de toda a pintura com prestígio na sua época, teria sido capaz de perturbar seriamente o conformismo espectral da burguesia do Segundo Império e dos esbirros de Thiers, Gambetta, Félix Faure, assim como os de Napoleão III.
Pois a pintura de van Gogh ataca, não um determinado conformismo dos costumes, mas das instituições. E até a natureza exterior, com seus climas, suas marés e suas tormentas equinociais não pode mais manter a mesma gravitação depois da passagem de van Gogh pela Terra.



Óleo Van Gogh Japonaiserie - Ameixeiras Florescendo
(Paris, Setembro-Outubro 1887)
Tanto mais razão para, no plano social, as instituições se decomporem e a medicina parecer um hediondo e imprestável cadáver que declara louco a Van Gogh

Diante da lucidez ativa de van Gogh, a psiquiatria nada mais é que um antro de gorilas obcecados e perseguidos que só dispõem de uma ridícula terminologia para aplacar os mais espantosos estados de angústia e asfixia humana
uma terminologia digna dos seus cérebros tarados.

Com efeito, não existe psiquiatra que não seja um erotômano declarado. E não creio em exceções à regra da inveterada erotomania dos psiquiatras.



E o que é um autêntico louco?

É um homem que preferiu ficar louco, no sentido socialmente aceito, em vez de trair uma determinada idéia superior de honra humana.

Assim, a sociedade mandou estrangular nos seus manicômios todos aqueles dos quais queria desembaraçar-se ou defender-se porque se recusavam a ser seus cúmplices em algumas imensas sujeiras.
Pois o louco é o homem que a sociedade não quer ouvir e que é impedido de enunciar certas verdades intoleráveis.


Nesse caso, a reclusão não é sua única arma e a conspiração dos homens tem outros meios para triunfar sobre as vontades que deseja esmagar.Além dos feitiços menores dos bruxos de aldeia, há as grandes sessões de enfeitiçamento global das quais participa, periodicamente, a consciência em pânico.
.




Assim, por ocasião de uma guerra, de uma revolução, de um transtorno social ainda latente, a consciência coletiva é interrogada e se questiona para emitir um julgamento.
Essa consciência também pode ser provocada e despertada por certos casos individuais particularmente flagrantes.
Assim foi que houve feitiços coletivos nos casos de Baudelaire, Edgar Poe, Gérard de Nerval, Nietzsche, Kierkegaard, Hölderlin, Coleridge,
e também no caso de Van Gogh.



Baudelaire


Poe



Nietzsche
Podem ser feitos durante o dia, mas geralmente são realizados à noite.
Então, estranhas forças são despertadas e levadas à abóbada celeste; a essa espécie de cúpula sombria que, sobre a respiração da humanidade, constitui a venenosa hostilidade do espírito maligno da maioria das pessoas.
É assim que as poucas pessoas lúcidas e de boa vontade que se debatem sobre a terra já se viram, em certas horas da noite ou do dia, tragadas pela profundeza de autênticos pesadelos em vigília e rodeadas por uma poderosa sucção, pela poderosa opressão tentacular de uma espécie de magia cívica que logo será vista aparecendo nos costumes de modo mais manifesto.



Diante dessa sordidez unânime que de um lado se baseia no sexo e de outro na missa e. outros ritos psíquicos, não há delírio em passear à noite com um chapéu coroado por doze velas para pintar uma paisagem natural;
pois como faria o pobre van Gogh para iluminar-se, como tão bem assinalou outro dia nosso amigo, o ator Roger Blin?


Quanto à mão assada, trata-se de heroísmo puro e simples;

quanto à orelha cortada,

pura lógica direta,

e repito,

'

um mundo que, cada vez mais, noite e dia, come o
incomível para fazer sua maléfica vontade alcançar seus objetivos
não tem outra alternativa nessa questão
a não ser calar a boca. “


.
Voltar ao Topo Ir em baixo
http://enochhaym.blogspot.com
 
Van Gogh: o Suicidado pela Sociedade, por Antonin Artaud
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Alguem ja comprou pela loja Angolz
» Mercado Livre sendo responsabilizado nos casos de fraude !
» Saludos
» Colecção de pin's da SPEA (Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves)
» Diorama - A Destilaria.

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Agora é Rock! :: Leitura :: Outros-
Ir para: